Momento presente

unnamed

Anúncios

Uma vida simples não é uma vida simplória, Mário Sérgio Cortella

Como os bens influenciam em nossas vidas?

Uma vida simples é o mesmo que uma vida simplória?

Segundo  Mário Sérgio Cortella, há bens que influenciam no que é fundamental e outros no que é essencial em nossas vidas.

Assista esse pequeno vídeo e ouça outras considerações do professor sobre esses assuntos.

Ler mais: http://www.contioutra.com/uma-vida-simples-nao-e-uma-vida-simploria-mario-sergio-cortella/#ixzz42Llr3Cpl

Partidas e chegadas

12776812_781817011948554_2064723683_o

“Quando observamos, da praia, um veleiro a afastar-se da costa navegando mar adentro, impelido pela brisa matinal, estamos diante de um espetáculo de beleza rara. O barco, impulsionado pela força dos ventos, vai ganhando o mar azul e nos parece cada vez menor. Não demora muito e só podemos contemplar um pequeno ponto branco na linha remota e indecisa, onde o mar e o céu se encontram.
Quem observa o veleiro sumir da linha do horizonte, certamente exclamará: “já se foi”. Terá sumido? Evaporado? Não, apenas o perdemos de vista. O barco continua do mesmo tamanho e com a mesma capacidade que tinha quando estava próximo de nós. Continua tão capaz quanto antes de levar ao porto de destino as cargas recebidas. O veleiro não evaporou, apenas não o podemos mais ver.
Mas ele continua o mesmo. E talvez, no exato instante em que alguém diz “já se foi”, haverá outras vozes, mais além, a afirmar: “lá vem o veleiro”. Assim é a morte.
Quando o veleiro parte, levando a preciosa carga de um amor que nos foi caro, e o vemos sumir na linha que separa o visível do invisível. O ser que amamos continua o mesmo, suas conquistas persistem dentro do mistério divino. Nada se perde, a não ser o corpo físico de que não mais necessita.
E é assim que, no mesmo instante em que dizemos: “já se foi”, no além, outro alguém dirá: “já está chegando”. Chegou ao destino levando consigo as aquisições feitas durante a vida. Na vida, cada um leva sua carga de vícios e virtudes, de afetos e desafetos, até que se resolva por desfazer-se do que julgar necessário. A vida é feita de partidas e chegadas. De idas e vindas. Assim, o que para uns parece ser a partida, para outros é a chegada.”

– Henry Sobel

Fonte: http://projaction.blogspot.com.br/2016/02/um-texto-que-ira-mudar-sua-visao-sobre.html

QUEM MANDA NISSO TUDO AQUI SOU EU!

Você está caminhando na sua própria romaria. Um pé depois do outro. Tropeça. Cai. Levanta. De olho na estrada, nos carros, nas formas das nuvens. Dias de sol, por vezes nublado, e as fases da lua acompanhando os seus ciclos mais íntimos. Esse é o lado A da vida; o previsível, a rotina — segura, porém monótona. Os sapatos tão moldados aos pés já se acostumaram com a andança automática. É como um roteiro sem clímax.

Então, no ínterim da jornada, chega um beija-flor saracoteando as asas bem na sua frente, te agraciando com uma majestosa rodopiada. Se despede com a mesma molecagem da chegada. Coisa mais linda de ver!

Alguns passos mais a frente desaba uma tremenda chuva, expurgando cada gota de cansaço, cada poro de desesperança. Chega para embeber o corpo mole e tirar da boca o sabor amargo da solidão. Estrondosa e revigorante ela lava o rosto e a alma empoeirada, alivia aqueles pés cansados e te faz sorrir o sorriso do bálsamo. Senhores. Apresento-lhes o lado B. Que tira do prumo, e de tão adventício faz da história individual um roteiro, agora sim, de Woody Allen!

Surpresas na vida são como caixinhas de tesouro que encontramos no meio do percurso. São mimos que presenteiam o nosso interior brindando o âmago de pura alegria! E toda vez é a mesma coisa! Porque, como milagre, ela não liga para avisar que vai chegar, nem bate na porta. Simplesmente chega. Varrendo o pó, tirando o fôlego, enchendo o peito de novos ares. Esse é o grande barato!

Mas não se engane porque nem todo mundo se deixa seduzir pelo inesperado. Há quem prefira viver sem sobressalto e ao mais homogêneo sinal de euforia se encerra em suas mazelas emocionais feito casulo. Pessoas assim não são capazes de sentir o arrepio, a palpitação, o orvalho nos olhos. Falta sensibilidade — talvez seja um bloqueio — de permitir surpreender-se por deliciosas carícias na alma.

Ganhar flores num domingo pela manhã, escutar no rádio aquela música que embalou o primeiro namoro, receber o telefonema inesperado de um amigo que está do outro lado do mundo! Um perdão que já estava perdido, um amor novo com ar de antigo. A flor que brota de um dia para o outro, o livro que chegou pelo correio antes do prazo. São essas grandiosas e singelas surpresas que nos tiram da peregrinação e dão um novo significado à vida.

É como estar deitado numa rede, em estado de letargia, e uma criança pulasse no colo com suas pequeninas mãos meladas e seus beijos babados de caramelo! Quando isso acontecer, ao invés de cerrar os olhos e fingir de morto, por que não iniciar uma batalha de cócegas e gargalhadas? Afinal, que manda nisso tudo aqui sou eu! A vida é minha, é sua, é dele, e por que não decidir por ser feliz, assim, de supetão?

Felicidade está mesmo na simplicidade da vida, em deixar a corda meio frouxa de propósito para que barco chacoalhe e mude a direção de acordo com o vento. Quando isso acontece começam a voar as tais borboletas na barriga, o coração bate tão forte que parece sambar aqui dentro, as mãos suam e o sorriso alarga.

Que graça teria o nosso filme se não fosse a troca de figurino, arrumar e desarrumar o cenário, mudar os planos, as tomadas? Editar as cenas, as passagens? Brincar com efeitos especiais! Ah, e a trilha sonora? A minha seria de Chopin a Marvin Gaye!

Às vezes esperamos tanto da vida, escrevemos e apagamos vários scripts. Uma sinopse depois da outra. Planejamos e projetamos abrir inúmeras portas. E nesse jogo você anda uma casa, volta duas, avança três. De tão obcecado pela saída não percebe quando uma janela se abre.

O inesperado tem o poder de transformar a noite em dia, uma segunda-feira em sábado! Basta abrir os canais dos sentidos. Sentir a brisa que sopra um perfume novo. Se entregar à emoção do inédito.

Porque não há tempo que volte, amor. Vamos viver tudo que há pra viver. Vamos nos permitir!

A vida que você escolheu

Acredito que cada um quando nasce ganha uma lâmpada mágica e, lá dentro, três milagres geniais: um passado para ser lembrado, um corpo pra viver o presente e sonhos para criar um futuro. Alguns, durante essa jornada, se lembram de retribuir essa graça com algo além de gratidão, um presente de volta, um bem para o universo. Este filme é o meu jeito de dizer obrigado. Este é o presente que deixo ao mundo pela vida que ganhei e pela que escolhi viver.